Acesse!


BRPRESS NO TWITTER

MODA/BELEZA - David Beckham: roupas, barba, cabelo e corpo
Ter, 09 de Janeiro de 2018 17:58

David Beckham vestindo look da sua loja, Kent & Curwen. Foto...

(Londres, brpress) - 2018 mal começou e a semana está cheia para David Beckham. O ex-craque e empresário desfilou, na London Fashion Week Men’s 2018, que aconteceu de 05 a 09 de janeiro, a coleção da loja da qual virou sócio no final do ano passado, a Kent & Curwen, com o objetivo de repaginar e rejuvenescer a tradicional marca inglesa. Na sequência, anunciou o lançamento da marca de cosméticos masculinos House 99, em parceria com a L’Oréal.

“Pra mim, se cuidar não tem a ver somente com como você está mas também como você se sente”, disse Beckham, símbolo do tipo de homem conhecido como metrossexual, à Vogue britânica. Nada mais natural que ele incorpore produtos de cuidados masculinos ao seu vasto portifólio de negócios. “Quero apoiar e dar opções a homens que gostam de se cuidar para que se sintam à vontade ao fazê-lo e ao experimentar novos produtos”. 

Spirulina e quinoa

99, segundo Beckham, é seu número favorito pois foi o ano em que casou-se com Victoria, em que nasceu seu filho mais velho, Brooklyn, e no qual o Manchester United foi tri-campeão. A House 99 é um mash-up de produtos que Beckham, de 42 anos, usa regularmente – 21, precisamente, incluindo cremes para o rosto, cabelo, barba, corpo e arrumação em geral (“grooming”). A ideia é oferecer a coisa certa para qualquer tipo de homem. As fórmulas são à base de spirulina e quinoa. 

  Os produtos da House 99 começam a ser vendidos exclusivamente na (ótima e chique) loja de departamentos britânica Harvey Nichols a partir de fevereiro e depois em outras boas casas do ramo no Reino Unido e em mais 19 países, a partir de março. O lançamento vem na esteira do sucesso de uma outra parceria de Beckham na área de beleza masculina, com a Biotherm.  

Fashionista

Não é de hoje que David Beckham dita moda. Ao Evening Standard, ele confessou que, quando menino, gostava mais de moda que suas irmãs. Enquanto elas curtiam o Wham!, primeira banda de George Michael, ele era vidrado em Culture Club e Boy George era “o cara”. Vem daí seu apreço por ser moderninho ao se vestir, não ter vergonha disso (especialmente no machista mundo do futebol) e ainda fazer dos seus looks uma jogada de marketing (Neymar teve nele um professor).

  Por isso não foi surpresa alguma quando o conglomerado Seven Global, que ele dirige com Simon Fuller e que detém a marca Victoria Beckham, comprou uma parte da Kent & Curwen. Surgida em 1926, no berço da alfaiataria, a Savile Row, em Londres, a marca – famosa por vestir times de críquete, canoeiros e militares na Inglaterra –, passou por “um banho de loja” tendo Beckham como dono, garoto propaganda e maior inspiração. 

Ele contratou o estilista Daniel Kerns, mais conhecido por ter trabalhado com Alexander McQueen e John Galliano. Ou seja: o toque de contracultura que faltava para desencaretar a Kent & Curwen, mantendo sua herança de qualidade. “Afinal, subverter as regras tem sido a maior especialidade britânica – e não estou falando do Brexit”, brinca Becks.  A repórter quer uma brecha para perguntar se ele pinta a sobrancelha (pinçar com certeza). Mas lança outro approach: “Como você se vê, afinal?”

“Sou uma mistura de tudo: trabalhador, patrão, jogador, metrossexual, fashionista…”, assume o filho de cabeleira. “Aparência é importante e eu me preocupo em estar bem”, diz. Antes da fama era assim, depois se intensificou. O fato é que com todo o dinheiro que ganhou, poderia se aposentar várias vezes. Mas sua nova obsessão é “criar e construir marcas”. Trabalha muito e parece se divertir também. “É algo que faz parte da minha ética e de que Victoria e eu gostamos”. 

REPRODUÇÃO TOTAL E/OU PARCIAL DESTE CONTEÚDO SOMENTE AUTORIZADA PELA BRPRESS