Acesse!


BRPRESS NO TWITTER

COMPORTAMENTO/ARTE - Tributo a Brian Epstein
Ter, 11 de Julho de 2017 12:08

Interveção de Jeremy Deller em memória de Brian Epstein, ...

(Liverpool, BR Press) - Este mês, completam-se os 50 anos do Sexual Offences Act 1967, lei que descriminalizou o ato sexual consentido – e privado – entre duas pessoas do mesmo sexo a partir dos 21 anos, no Reino Unido. A data coincide com o perdão oficial, pela justiça britânica, dos então condenados (mortos ou vivos) pela prática homossexual e com os 50 anos da morte de Brian Epstein, o famoso empresário dos Beatles que era gay não assumido e cujo trabalho alçou o grupo ao panteão de maior fenômeno pop de todos os tempos. 

Como ser gay na Inglaterra era ilegal na época em que Epstein trabalhou com os Beatles, isso também influiu em sua morte precoce por overdose, aos 32 anos, em 27 de agosto de 1967 – portanto, há quase 50 anos. Se fosse vivo, ele faria 83 anos em 19 de setembro. 

Epstein morreu meses antes do lançamento do cultuado álbum Sargent Pepper’s and the Lonely Heart’s Club Band, dos Beatles. Por isso, sua saga foi recontada em Liverpool, durante o festival Sgt Pepper's at 50, que celebrou durante o mês de junho os também 50 anos do álbum. 

“Mártir" pop

 O artista plástico britânico Jeremy Deller, vencedor do Turner Prize, realizou intervenção nas ruas e locais turísticos de Liverpool tendo como tema Brian Epstein. A ideia central foi comparar o sacrifício do empresário/produtor dos Beatles com uma espécie de "mártir" da cultura pop. 

 Jeremy Deller espalhou pela cidade frases de efeito sobre a devoção do produtor e empresário à banda. "O modo como nos sentimos com relação ao rock n'roll desde os Beatles é como uma religião, como construção de um sistema de crenças alternativo para viver", diz Deller. 

With a Little Help From My Friends

 A inspiração para sua intervenção no festival Sgt Peppers at 50 foi a releitura da música With a Little Help From My Friends, prometendo dar a Epstein, pelo qual é obcecado, “a importância e protagonismo merecidos e não suficientemente creditados”. Paul McCartney chegou a declarar que o quinto Beatle era Epstein. 

A BR Press fez um tour por Liverpool no lançamento do festival Sgt. Pepper's at 50, em junho, e visitou vários pontos icônicos na história dos Beatles na cidade – que, para Deller, é a maior fonte de inspiração para o conceito pré e pós álbum. 

Neste verão, que também marca os 50 anos do chamado “verão do amor”,  Liverpool está em polvorosa com o turismo beatlemaníaco. Este mês, a parceria Lennon-McCartney, que começou em 1957, celebra 60 anos. Penny Lane, Cavern Club, a igreja em que Paul cantava, e uma outra, onde Paul e John se conheceram quando o primeiro foi assistir a um show dos Quarrymen, a banda de John que Paul também integrou, são alguns dos lugares históricos que a reportagem visitou.